#DicaDaTarsis Cães e o medo de fogos



Reveillon chegando, época de grandes chuvas e seu peludo tem medo de fogos e trovões? Entenda por que, para alguns cães, certos barulhos podem ser tão aterrorizantes e aprenda como amenizar esse problema.

É só ouvir um barulho um pouco mais alto e seu cachorro já fica esquisito. Em dia de jogos, de grandes comemorações como o Ano Novo, onde o foguetório rola solto (pq, meu Deus??) ou mesmo em tempestades com muitas trovoadas seu peludo parece aflito? Baba, treme, fica ofegante e quase sempre tenta se esconder em um espaço em que ele não cabe. Essa reação que pode parecer esquisita, talvez seja uma fobia que seu cão tenha a grandes barulhos causados nesses dias.

Muita gente acredita que essas reações sejam causadas por uma dor de ouvido no meio de tanto barulho. Mas normalmente, não!

Embora a cachorrada tenha mesmo um ouvido quase biônico (comprove mexendo em qualquer sacolinha ou pacotinho mesmo há metros de distância e veja se seu dog não aparece...rs) essas reações diante de fogos ou trovões costuma ser medo mesmo. Por que?

Ao longo da história canina, os nossos ex-lobinhos aprenderam que barulho é sinônimo de perigo. “Gente, nosso predador tá chegando, lascou!!!” Estrondos passam a ideia de que algo grande e perigoso se aproxima, por isso, mesmo dentro de casa, muitos cães se sentem ameaçados.

Pets traumatizados

Em situações em que o susto é muito grande, o o seu cachorro pode acabar desenvolvendo um trauma. E aí, até mesmo ruídos mais brandos podem deixá-lo em pânico, porque estão associados com o susto inicial. E eles também associam todo contexto que envolve aquela possível ameaça.

Desde o “Bem amigos, da Rede Globo” do Galvão anunciando uma nova partida (sim, não é só você que implica com o Galvão) como a mudança na umidade do ar, do vento e da luminosidade, que anunciam uma chuva, já deixam muitos cães tensos. Falo sempre que a Tina, uma das viras que tem medo de barulhos, é mais precisa que a Maju, a mulher do tempo. Se ela fica estranha, quer se esconder, mesmo sem nada aparente, recolho a roupa do varal porque lá vem chuva. Nunca falha!

Como ajudar seu cãozinho?

Amigos, não vou mentir pra vocês. Treino pra resolver esse problema, que chamamos de dessensibilização ao barulho, é bem chatinho. Requer muita dedicação e repetição. Bom, comportamentos não se mudam operando milagres, né? Mas força, foco e fé, pessoal! Vou passar umas dicas aqui que podem amenizar e até mesmo reverter o medo que seu amigo tem desses barulhos.

1. Um local seguro e agradável: Se o seu cão procura um lugar para se abrigar quando está com medo, deixe ele lá! Um Dog Alemão pode tentar entrar numa caixa de sapato na hora do desespero. Se ele conseguir, e não for se machucar, permita! Esse comportamento de se esconder é perfeitamente normal na busca de segurança. Se possível, também crie um espaço para ele ficar nesses dias, com janelas e portas vedadas para abafar o som externo. Uma caixa de transporte disponível pode ser a glória pra ele também.

Seu quarto ou aquele cantinho no sofá também. Um ambiente associado a uma pessoa que ele adora pode ajudar seu amigo a se sentir mais seguro. Habitue-o a ouvir sons altos da TV, rádio ou música mesmo. Esses sons podem ser usados para “mascarar” os barulhos de fogos e trovões. Brincar, fazer comandinhos com brinquedos e petiscos e divertir seu cão nesse ambiente, importante também em dias sem barulhos, pode ajudá-lo a associar o local com sensações agradáveis.

Ah, não é muito legal da sua parte deixar ele sozinho ou onde possa fugir ou se machucar na hora do desespero. Amarrado na coleira, não vou nem comentar! O ideal é você passar esse perrengue com ele. Mas se não der, pelo menos deixe-o em um lugar seguro.

2. Não demonstre medo: Olha, essa talvez seja a parte mais difícil. Eu que tenho esse problema em casa admito (sim, santo de casa tenta, mas não faz milagre sempre), é quase impossível não demonstrar tensão e principalmente raiva (querendo matar todos os vizinhos que soltam fogos). Mas, nessas horas, respira fundo e tente parecer o mais natural possível.

Abaixar, pegar o peludo no colo e tentar protegê-lo nos momentos de aflição, ao contrário do que muitos imaginam, não é uma boa solução. Sua postura corporal significa muito para os cães e, quando você agacha, pode transmitir a ele que também está com medo do perigo que se aproxima.

Ele pensa: “Esse banana nem pra me proteger, tô perdido mesmo.” Por isso, você precisa tentar passar segurança. O mundo pode estar acabando, mas você tem firme, falando naturalmente com o seu cão. Caso ele suba no sofá, no seu colo, porque isso passa tranquilidade, tudo bem! Só não agrade ou fale com ele com muito mimimi, sabe?

3. Ajude-o a se acostumar aos poucos: Bom, a essa altura do campeonato, com o perdão do trocadilho, você não tem muito tempo para fazer um treino que já surta efeitos a curto prazo. Mas bora agilizar já pro ano que vem, né? Para que seu pet aprenda a lidar com barulhos que o assustam é preciso que ele faça associações positivas com esses momentos. Quando ouvir um barulho parecido com o que o assusta, comemore com ele: dê petiscos, elogie-o, faça carinho ou brinque com ele.

O ideal é simular situações parecidas com as de tensão, gravando sons que o desagradam e os reproduzindo em momentos agradáveis, aumentando o volume de forma gradativa, para não assustá-lo, respeitando seus limites. Sempre associando a coisas bacanas:

barulho = petisco

barulho = bolinha

barulho = destruição de chinelo (brincadeira, mas se ele aceitar, acho q vale a pena)

Aos poucos, ele pode associar o barulho, que antes representava perigo, a situações de prazer. Tenha paciência e tente ao máximo que ele não passe por novos traumas para o treino todo não regredir.

4. Consulte um veterinário!: Em alguns casos, o uso de medicamentos pode ser indicado paralelamente ao treinamento. Consulte um veterinário, para que ele receite, se realmente necessário, um remédio que ajude acalmá-lo nesses dias.

Não vai dar por conta própria um remédio seu ou que seu amigo ouviu falar para seu cachorro. Pelo amor!!! Alguns remédios humanos ou não surtem efeitos em cães, ou podem ser perigosos pra eles ou ainda causam efeito paradoxal: um calmante que era pra deixar seu cachorro calmo, pode deixar ele ligadão.

E é isso gente. Nada de desespero. Bom treino com muito amor, e paciência, que São Pedro mande chuvas mais silenciosas e que todos carregamentos de fogos de artifícios sejam abduzidos eternamente (meu desejo para fogos e quem os solta é outro na real, mas impublicável num blog de respeito). Beijos donos queridos e até o próximo artigo!


Sobre o autor: Sou adestradora, mãe de 10 cachorros resgatados e apaixonada por animais.Sou formada em Jornalismo, mas a vida quis mesmo é que vivesse com os bichos e para os bichos.Há 8 anos trabalho com comportamento animal na Cão Cidadão, onde a minha missão é tornar a relação donos e animais de estimação cada vez mais equilibrada e feliz, para ambos. Nesse espaço, com meus artigos, quero poder dividir toda minha experiência e ajudar você a traduzir e amar ainda seu melhor amigo!

Acompanhe a Tarsis!

Instagram: @tarsiscao

#dicadatarsis #Adestramento #Cachorro #Comportamento

145 visualizações

openbarcanino@gmail.com

Porto Alegre  -  Rio Grande do Sul

  • facebook
  • Instagram Limpa
  • Branco Twitter Ícone

site desenvolvido por EmPlanta Projetos